Número total de visualizações de página

domingo, 27 de novembro de 2011

Tabela Cronosestatrigrafica .

As tabelas cronostratigráficas são escalas de referência para os geólogos, aceites pelas comunidades científicas a nível mundial, embora em constante actualização. 


Reflexão: Uma tabela cronostratigráfica é a forma mais simples de representar as divisões cronostratigráficas bem como os acontecimentos que tiveram lugar durante essas divisões. Estas tabelas é uma ferramenta essencial para o trabalho de qualquer geólogo.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Relógios Paleontológicos

Biostratigrafia:
  • Utiliza a paleontologia para organizar as sequências geológicas em unidades biostratigráficas com o objectivo de fazer o estudo temporal dos fósseis aí existentes;
  • Permite correlacionar formações geológicas geograficamente afastadas e a nível global, comparando a idade relativa de diferentes formações no espaço e no tempo;
  • Resulta numa escala biocronostratigráfica.

Fósseis de idade ou caracteristicos → são fósseis que apresentam uma repartição geográfica muito grande, uma curta distribuição estratigráfica (viveram num curto periodo de tempo), grande abundância e bom potêncial de preservação.



 Uma biozona (uma unidade biostratigrafica) é um corpo rochoso (por exemplo, um conjunto de estratos geológicos ) definindo ou caracterizado estratigráfica e geograficamente com base no seu conteúdo fossilifero.


Dendrocronologia:
  • Enumeração dos anéis de crescimento anuais das árvores;
  • Os anéis são distinguíveis devido à variação da velocidade de crescimento, que depende do clima;
  • Permite realizar datações de determinados acontecimentos até um limite de 11 400 anos, por isso, não têm grande importância na elaboração da história geológica global.


    Magnestrostratrigrafia: 

    A magnetostratigrafia é um ramo da estratigrafia que estabelece uma escala de mudanças do campo magnético terrestre ao longo da história da terra.
    É um método físico de datação absoluta e dedica-se ao estudo das inversões do campo magnético terrestre.



quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ninho de dinossauro com 15 crias achado na Mongólia


Um ninho repleto de restos fossilizados de 15 crias de dinossauro, da espécie Protoceratops andrewsi, foi encontrado em Tugrikinshire, na Mongólia, por investigadores norte-americanos. Trata-se do primeiro ninho deste género alguma vez descoberto.






O estudo deste achado revela novas informações sobre o desenvolvimento pós-natal e sobre o cuidado dos progenitores em relação às crias. O estudo está publicado no «Journal of Paleontology».





Encontrado na Formação Djadochta, zona de Tugrikinshire, Mongólia, o ninho tem forma de bacia e um diâmetro de 2,3 metros. Os investigadores admitem que terá 70 milhões de anos.
No seu interior encontram-se, então, os 15 dinossauros, dez dos quais completos, num estado de crescimento e desenvolvimento semelhante e com o mesmo tamanho, o que indica que serão todos filhos da mesma mãe.



sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Encontrada evidencia que agua quente em lua de Júpiter(Europa)

Cientistas americanos encontraram evidências da existência de água em estado líquido perto da superfície de uma das luas geladas de Júpiter, Europa.
Análises de imagens sugerem que há colunas de água quente sob a crosta congelada do satélite. Essa água seria responsável pelo derretimento e o rompimento das camadas mais superficiais.  

Os resultados, publicados na revista científica Nature, indicam que os lagos estejam somente três quilômetros abaixo da superfície.
Qualquer concentração de água líquida pode representar um potencial de habitat propício para a existência de formas de vida.



Com base em modelos de forças magnéticas e imagens da superfície de Europa, os cientistas suspeitavam que um oceano gigante, de cerca de 160 quilômetros de profundidade, estaria em algum local entre 10 e 30 quilômetros sob a crosta de gelo.


No entanto, fazer buracos na grossa camada de gelo de Europa sempre pareceu impossível, até a descoberta dos lagos rasos.




Segundo os cientistas, os lagos rasos significam que as águas congeladas da superfície podem estar se misturando com as águas quentes mais profundas.
Correntes geladas poderiam estar transferindo nutrientes entre a superfície da lua e as profundezas do oceano subterrâneo.



Os Estados Unidos e os países europeus estão trabalhando em missões para esta e outras luas de Júpiter, que deverão ser lançadas no final desta década ou no início dos anos 2020.














quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Relógios Sedimentologicos

Os relogios geológicos estabelecem a relação entre os vários processo geológicos.~

Litostatrigrafia - Estudo da evolução Geologica e organização sistematica das rochas da crusta terrestre sustentado por cinco princípios fundamentais .
    São definidas unidades litoestratrigraficas (formações): Conjunto de rochas com propiedades litologicas e posiçoes estatrigraficas  muito semelhantes.


Principais princípios estratrigraficos :

1- Principio da sobreposição 
      Em estratos não deformados qualquer camada rochosa é mais recente que o seu muro e mais antiga que o seu tecto .
2- Principio da horizontalidade
         Afirma que a deposição dos sedimentos ocorre em leitos horizontais .



3-Principio da Continuidade Lateral
           Qualquer estrato tem sempre a mesma idade ao longo da sua extensão independentemente da sua distribuição horizontal.


4-Principio da Inclusão 
        Qualquer inclusão é mais antiga que a rocha que a inclui



5-Principio da Intersecção 
           Qualquer rocha ou serie de rocha intersectada é mais antiga que a intersecção




Conclusão : Estes relógios sao muito importantes para datar relativamente as rochas.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Lutetia é fragmento do material original dos planetas rochosos


Astrónomos do Observatório Europeu do Sul (ESO) descobriram que o asteróide Lutetia é um fragmento que sobrou do material original a partir do qual se formaram a Terra, Vénus e Mercúrio. Com a combinação de dados da sonda Rosetta, da Agência Espacial Europeia, do New Technology Telescope, da ESO, e telescópios da NASA, os cientistas descobriram que as propriedades do asteróide assemelhavam-se às de um tipo raro de meteorito encontrado na Terra, que se pensa ter sido formado nas regiões interiores do Sistema Solar.









Este facto sugere que a rocha se terá formado numa zona mais interna do Sistema Solar. Em determinado momento, a sua órbita mudou-o para a Cintura de Asteróides, entre Marte e Júpiter, onde ainda se encontra.




O espectro foi comparado com o de meteoritos encontrados na Terra e que têm sido estudados extensivamente em laboratório. Apenas um tipo de meteorito – condritos enstatite, também conhecidos como condritos do tipo E – apresenta propriedades semelhantes a Lutetia em todos os comprimentos de onda estudados. 




Estes meteoritos são conhecidos por conterem material que data dos primórdios do Sistema Solar. Pensa-se que se tenham formado perto do Sol ainda jovem e que tenham constituído o principal material de construção dos planetas rochosos.  



terça-feira, 15 de novembro de 2011

Ouro tem origem extraterreste

Impacto de asteróides deu origem a alguns metais preciosos.

    
Quase todo o ouro que a humanidade possui ou que está a ser extraído de minas é de origem extraterrestre. Foi trazido para a Terra por asteróides  massivos que embateram no planeta no final da sua formação, há 4500 milhões de anos, sugerem os resultados de um estudo publicado na revista "Science".  
Esta nova investigação traz fortes evidências de que o ouro, a platina e o paládio, entre outros metais, presentes no manto e na crosta da Terra, da Lua e de Marte, chegaram a tais sítios graças à queda  de objectos celestes do tamanho de mini-planetas durante a fase da formação planetária do sistema solar. 






sábado, 12 de novembro de 2011

Cientistas identificam um dos mais antigos sismos ocorridos no planeta (na Índia)

A equipa – constituída por cientistas indianos, japoneses e polacos – analisou sedimentos de rocha no Este da Índia e descobriram formações pouco habituais a uma profundidade até um quilómetro, relativas ao período entre 1600 milhões de anos e dois mil milhões de anos.
"As camadas mostraram deformações que nunca antes tinham sido descritas", explicou o coordenador da investigação, Rajat Mazumder, do Departamento de Geologia da Universidade de Munique.





Mostrámos que deveriam ser o resultado de choques que apenas se podem explicar com a ocorrência de um sismo", escreve a equipa num artigo a publicar na próxima edição da revista holandesa "Geologia Sedimentar".
"Um dos argumentos mais fortes que vai no sentido de deformações causadas por um sismo é o facto de existirem camadas fortemente deformadas entre camadas que não foram afectadas", acrescenta Rajat.
Os cientistas acreditam que o tremor de terra foi seguido por um tsunami.





 Fonte:http://www.georoteiros.pt/

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Descoberto em meteorito mineral anterior à formação da Terra


Uma equipa de geólogos da City University of New York (CUNY) e do museu norte-americano de História Natural anunciaram na revista «American Mineralogist» a descoberta de um mineral desconhecido até agora.  

Este terá sido um dos primeiros a formar-se no sistema solar. É um componente original da maior parte dos planetas do sistema e existiu mesmo antes do começo da formação da Terra e dos seus vizinhos. 






O mineral, baptizado como crotita, é o componente principal de uma série de inclusões de um meteorito encontrado no norte de África, o NWA 1934. Este pequeno grão, que devido à sua aparência foi chamado de “ovo partido”, intrigou desde logo os investigadores.   


Este é uma rara mistura refractária de cálcio e alumínio. O termo refractário refere-se ao facto de que os grãos contêm minerais que permanecem estáveis a temperaturas muito altas, prova da sua antiguidade, já que se terá condensado nas altas temperatura da nebulosa solar.



Encontrar este composto formado naturalmente há mais de 4500 milhões de anos é um “tesouro”, visto que contém informação que pode ajudar a decifrar a origem do sistema solar.





quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Novo ciclo geológico da Terra pode estar a começar junto à Península Ibérica

Os vulcões existentes em Portugal continental estão extintos mas o planeta pode estar a entrar num novo ciclo geológico , com uma zona de subducçao a sudeste da península ibérica e a actividade vulcânica não está excluída.
"Com base na distribuição   dos sismos , há quem diga que podemos estar a entrar num novo ciclo geológico , que poderá ter como consequência o vulcanismo . " Revelou o geologo José Francisco a Agencia Lusa.
Fonte:http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=26769&op=all

Fim do oceano Atlântico já começou

Daqui por 50 a cem milhões de anos, o oceano Atlântico deverá desaparecer. 


No entanto, tal como todos os fenómenos geológicos, este também demorará a acontecer. O estudo tem participação russa e é liderado pelo geólogo português Fernando Marques, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

A novidade do estudo consiste na analise matemática de dados sobre a espessura da placa em varias regiões do Atlântico  , tanto a norte como a sul  



 Os resultados sugerem que a região mais provável para o início do surgimento dessa zona de subducção – é uma área de convergência de placas tectónicas, onde uma das placas desliza para debaixo da outra – é o Sudeste do Brasil. 


Segundo os investigadores, “existem sinais de que já aconteceu, mas faltam medidas, e tem alguns dados que poderiam ser interpretados como início de afundamento”. Entretanto, o estudo já foi submetido a um periódico científico de alto impacto.


O grande evento geológico sofrerá um processo muito lento, que demora milhões de anos.



Fonte:http://www.cienciahoje.pt







Medida do tempo e historia da terra

A noção de tempo em geologia é um conceito fundamental.


Como determinar ai idade das rochas , minerais e fosseis?



Dados os geólogos terem necessidade de determinar a idade da  rochas, minerais e fosseis , foram sendo desenvolvidas técnicas de datação :
   Estas técnicas podem ser: 1- Relativa: relaciona a idade de 2 acontecimentos , determina qual o mais antigo e o mais recente, foi a primeira datação feita pelos geólogos.




2- Absoluta : permita datar com precisão o objecto de estudo , obtendo uma idade que e , geralmente expressa , em M.a , relativamente ao presente. Na cronologia absoluta encontrasse o método de datação radiométrica.   

Todos os metdos possuem vantagens e desvantagens , sendo frequente os geologos recorrearm a varios metodos pra datar os acontecimentos ao longo da Historia da Terra      
     Os geólogos estudam processos que podem durar longos períodos.